Tudo que você sempre quis saber sobre o Seguro Obrigatório da sua Bicicleta

DNVT

Estava procurando um lugar para escrever sobre isso e lembrei que tenho um blog :)

Essa é sobre o seguro obrigatório em Angola e a recente comunicação de que vão começar a fazer valer a lei. Bom, eu não ouvi ou li essa comunicação originalmente, mas como fui ‘informado’ por alguns colegas de trabalho que ‘se você ainda não tem o seguro automóvel o seu carro vai ser automaticamente apreendido’ e achei isso meio absurdo, achei melhor procurar saber mais.

Considerando os absurdos normais do dia-a-dia na nossa terra, até que a coisa não fugiu muito do padrão. Mas o que realmente me deixou no mínimo intrigado foi que os cidadãos também são obrigados a pagar pelo seguro das suas BICICLETAS. Ok que faz anos que eu não pedalo, muito menos nas ruas de Luanda; mas sempre gostei de saber que poderia tirar a minha Giant da aposentadoria precoce e passar a pedalar por aí sem custos adicionais a qualquer momento que desse na telha. Bom, pela minha interpretação da Lei, não é o caso (agradeço se alguém me disser que estou errado).

2014-07-01 13_19_30-Publicação Oficial

O importante aqui é deixar claro que, ao contrário do que alguns emocionados propagam por ai, a polícia não deve rebocar imediatamente nenhum veículo cujo proprietário ou motorista não apresentar o seguro. O indivíduo em questão tem até oito dias a contar da data da solicitação, para apresentar o documento. Eu não entendi muito bem esta parte do artigo (o que é um mal sinal), mas acredito que o mesmo indivíduo fica susceptível à multa.

2014-07-01 13_27_26-Publicação Oficial

Ainda segundo a minha interpretação do texto da Lei em questão, bicicletas deverão pagar uma taxa única do seguro de 23 UCF (Unidade de Correção Financeira).

2014-07-01 13_43_11-Publicação Oficial

Transformando UCF em dinheiro de verdade (não sei se a taxa de conversão está atualziada… provavelmente não):

2014-07-01 13_41_09-Publicação Oficial

Agora, caso o cidadão seja apanhado pedalando sem seguro, mais uma vez segundo a minha interpretação do texto da Lei, deverá pagar uma multa de 76.000,00 Kwanzas. O que provavelmente é mais custoso do que simplesmente comprar uma bike nova… dependendo da bike.

2014-07-01 13_41_57-Publicação Oficial Fico pensando se a polícia vai fazer blitz na marginal e na ilha e multar todos os ciclistas de fim de semana que passarem por lá…

O Censo

O Censo

Sim, o Censo Angolano de 2014.

Eu estava vendo a primeira publicação deste blog de 04 de Dezembro de 2005 que coincidentemente é sobre algumas estatísticas de Angola. As estatísticas foram tiradas do site Geohive porque na época eu acredito que o nosso INE (Instituto Nacional de Estatística) sequer tinha um site.

Bom, em 2005 quando olhei para os dados no Geohive, consegui coletar todas as informações que coloquei na publicação já referida. Hoje ao tentar ver informações similares atualizadas no site do INE, já perdi 30 minutos rodando nele e ainda não consegui encontrar nada parecido. Na verdade, tentando ser justo, encontrei até um link que supostamente me daria algumas estatísticas, mas nenhum dado realmente aparece:

2014-05-14 14_44_57-Instituto Nacional de Estatística

Propaganda enganosa :)

Sendo que ainda por cima, sabemos que entre 1985 e 2013 não aconteceu nenhum Censo, então o nosso querido INE esqueceu-se de adicionar ali a palavra ESTIMATIVA.

O Geohive por sua vez, tem os dados dos Censos anteriores realizados em Angola (os dados abaixo refere-se ao número de habiltantes):

1950-12-31 4,145,266
1960-09-01 4,830,449
1970-12-15 5,646,166

Para tentar compensar, o INE apresenta uma página com os principais indicadores de Angola por província, o que é melhor que nada:

Principais indeicadores de Angola por província.

Principais indicadores de Angola por província.

Obviamente o Geohive foca-se em quantificação populacional então, muitos dos dados que o INE apresenta (e deve) estão fora do escopo do deles. Por outro lado o Geohive apresenta muitos dados que o INE deveria apresentar mas não se vê sinal dos mesmos no site. Deve ser informação secreta :)

Comparações à parte, vou me abster de falar da desgraça que vai ser esse Censo de 2014 no sentido em que os resultados que serão apresentados (se é que um dia vão ser apresentados ao povo) não irão refletir os reais números da população Angolana. Mas, como os otimistas gostam de pensar, tinha-se que começar de algum lugar.

 

Mais discussões sobre programadores

2014-05-13 08_36_08-Programadores em Angola ou copy pasters_ Eis a questão. _ Switching News Network

Hoje o Facebook me surpreendeu com uma discussão interessante do tipo que geralmente eu só acontece no Google+.

Tudo começou com a (re)publicação de um artigo do Nataniel Baião de mais de 6 anos atrás do seu site SNNAngola por um dos membros do grupo Programadores@programar do Patrício dos Santos.

Na verdade esse acontecemento me ajudou a confirmar 3 coisas:
1 – É sempre válido manter um blog com conteúdo interessante. Ao contrário das ‘redes sociais’ que podem fechar a qualquer momento, você tem melhor nível de indexação das suas publicações, o que torna mais fácil os potenciais leitores encontrarem artigos dessa forma. O Google+ está tentando espelhar isso acho que ainda não chegou lá.
2 – O Facebook por mais incrível que pareça até hoje não oferece a possibilidade de ‘linkar’ diretamente para uma publicação, a menos que esteja na tua timeline e você use a opção ‘incorporar publicação’ que é uma bela porcaria.
3 – Por motivos bizarros, as pessoas preferem colar o link do artigo original em outro site, ao invés de comentar diretamente no site SNNAngola. Por isso eu mantenho as 3 opções de comentários aqui (G+, Fb e do próprio site).

Bom, para ler a thread toda vá diretamente ao post no Facebook. O que tenho abaixo é a minha primeira argumentação:

O que muitos esquecem de considerar com relação à programação é que aprender a programar não faz de ninguém bom programador ou desenvolvedor. Não importa quão bom a escola ou instrutor de programação é. Escrever código, como eu sempre digo, é o mesmo que aprender a falar (ou escrever) outra língua diferente da sua língua materna. Mas se o indivíduo não tem outros conhecimentos de base e periféricos em torno da vida e sociedade, nunca vai conseguir articular uma frase decentemente. Por isso que muitos compatriotas falam “subir lá em cima”, “te encontrei num estava” e outras coisas piores. Tecnicamente eles sabem falar o português, mas isso não faz deles Camões. Com programação é similar. Veja o exemplo do “bom programador” Keven Chantre… qualquer um pode escrever código, mas fazer um jogo (pelo menos os bons) inclui muito conhecimento de física e matemática. Mesmo que você tenha um bom motor gráfico, para fazer um circulo andar do lado esquerdo para o direito enquanto aumenta e diminui de tamanho, inclui escrever código que representam funções matemáticas que consigam manipular o referido círculo. Então, se o indivíduo não tem as referidas bases, nunca vai dominar o conceito de uma função como essa… isso me lembra o bom e velho Allegro. Alguns demoram vidas para entender problemas educativos simples de programação como torre de hanoi (recursão) porque os cérebros nunca foram preparados para esse tipo de raciocínio e não têm as bases acadêmicas para isso. E essas coisas não se aprendem em cursos de programação. Cursos de programação ensinam sintaxe e técnicas básicas. Se vocês mais antigos notarem, quem aprende a programar hoje, geralmente em java, ruby ou uma dessas linguagens novas da moda, dificilmente consegue se aventurar por conta própria em outra linguagem (c, assembly, etc). Isso porque eles não aprendem conceitos, aprendem apenas a linguagem de forma decorativa. Antigamente nós aprendiamos conceitos de programação e conseguiamos usar esses conceitos em qualquer linguagem, por isso as pessoas se surpreendem quando digo que sei programar usando qualquer linguagem (sim, até Cobol e Fortran ) Em parte tudo isso não é culpa do indivíduo (aprendiz). O mundo e a sociedade mudaram muito de lá para cá e há uma tendência cada vez maior de coisas rápidas e descartáveis que traduz-se em resultados rápidos e não duráveis. E isso tem se aplicado a tudo, não só programação. A única forma de atender a essas exigências em muitos casos é o famoso copy & paste. Agora, fazer copy & paste não é errado, é apenas uma forma de poupar o trabalho braçal e repetitivo, em qualquer ambiente de trabalho com prazos reais, isso se torna uma técnica válida e útil; quem já usou a chamada COUT ao invés do PRINTF no antigo C da Borland não pode atirar pedras quanto a isso. Errado é fazer sem entender o que foi copiado, isso é o crime máximo. Então, aos novatos, não se preocupem demais em usar o copy & paste. Preocupem-se em entender o que estão copiando e colando a ponto de SE NECESSÁRIO conseguir fazer o mesmo sem olhar Isso saiu mais longo do que eu planeava, deveria ter colocado no meu blog… é, acho que vou colocar lá uma cópia desse texto para posteridade.
Feito!

Man of Steel

Man of Steel

OK… conclusões depois de assistir (finalmente) Man of Steel…

** SPOILERS **

O filme foi menos profundo do que imaginei depois de ver os teasers, mas de forma geral foi bom. As cenas de ação foram muito bem feitas e a tecnologia foi bem usada, lembro que fiquei impressionado como fiquei com a luta do Aranha e Doc Oc em Spiderman 2. Eu sou sempre suspeito para falar dessas coisas porque é o sonho de qualquer garoto que cresceu lendo quadrinhos ver os herois na ‘vida real’, e as cenas de luta foram quase tudo como eu sempre imaginei (incluindo a destruição de Metrópolis).
Agora… Superman matando General Zod acabou com tudo. Eu acho que o Zack não conseguiu entender muito bem a natureza do Superman quando fez seja lá qual foi a pesquisa que ele fez para o filme. Sério… existiam várias outras opções para ele naquele momento que não incluiam matar Zod. Lamentável.
Na verdade a coisa toda foi bem contraditória porque eles passaram tanto tempo preparando um background do heroi mostrando como ele valoriza o que é certo e a vida acima de tudo para poder justificar como foi difícil a decisão de matar Zod, mas ao mesmo tempo, durante toda destruição de Metrópolis o Super nem pareceu muito preocupado com os danos (mortes) colaterais. Isso é especialmente válido na luta final com o Zod. Ele poderia levar a luta para um lugar mais isolado… até para a Lua (como já aconteceu nos quadrinhos… mais de uma vez). Mas não… E matar alguem para salvar vidas não é o tipo de decisão que o Super que conhecemos tomaria.
Na verdade, isso me lembra como a série Injustice começa…
Bom, o filme foi bom de se assistir, e com certeza assistirei mais vezes já que consta na minha coleção… mas não tanto quanto continuo assistindo The Dark Knight.
Por outro lado, posso considerar um ótimo passo da DC em preparação para a Liga da Justiça. A última peça importante faltando é a Maravilhosa (AKA Wonder Woman :)).

Coisas Online

semelhanca

Coisas que se encontra online.
Do lado esquerdo um stencil famoso pelas internets, usado como simbolo de manifestações políticas.
Do lado direito uma foto tirada durante as manifestações dos professores no Rio de Janeiro em 2013.
Precisa falar mais nada, né…